A nossa história…

O que faremos, quem somos e por quê:

Todos os dias muitos animais são abandonados em Portugal, principalmente cães e gatos. As pessoas abandonam seus animais de estimação por diversas razões, mas de modo geral o abandono é fruto da falta de compromisso dos proprietários para com seus animais, graças à abundante oferta de cães e gatos e da facilidade da sua adopção, muitas vezes irrefletida e até mesmo involuntária.

Estes animais podem ter os seguintes destinos: os serviços municipais, associações e abrigos de animais, serem recolhidos por particulares ou a morte na via pública – vítimas de atropelamentos, fome, envenenamento, doença ou frio – com muito sofrimento para o animal e colocando também em risco a vida de pessoas.

Em Portugal, estima-se que 100.000 animais sejam eutanasiados nos canis municipais todos os anos. Mesmo sendo este número apenas uma amostra do número total de abandonos, a sobrepopulação de cães e gatos é evidente.

A eliminação do excedente populacional, apesar de ser a política adoptada pelos municípios, é claramente ineficaz, principalmente por uma razão: uma cadela e seus descendentes podem gerar 73.000 cachorros e uma gata 240.000 gatinhos em 6 anos. Simplesmente recolher os animais e mantê-los em abrigos ou encaminhá-los para adopção também não têm se mostrado eficaz na redução da superpopulação e do abandono, apesar de ser de um modo geral a forma de actuação da maioria das associações.

A taxa média de adopção nos serviços municipais em Portugal ronda os 20%. Ainda assim, seu futuro é incerto: nos EUA 70% dos animais adoptados são depois oferecidos, entregues ao canil municipal ou abandonados, sendo a taxa maior quanto mais novo é o animal. No Brasil outro estudo refere que o tempo médio de retenção dos animais adoptados é de apenas 14 meses.

Pertinente ainda é a questão de que a adopção de animais que irão reproduzir e contribuir para o aumento de animais abandonados é, na verdade, contraproducente.

Para reduzir a sobrepopulação de cães e gatos a medida mais eficaz e humanitária é a realização de programas de contracepção. Estes programas, que se traduzem principalmente por campanhas de esterilização gratuitas ou a baixo custo, já foram amplamente introduzidos em outros países com grande sucesso. No entanto em Portugal ainda são raros, mesmo havendo desde 2003 em decreto-lei menção da responsabilidade das autarquias pela implementação do controlo reprodutivo de animais.

Incentivos para a redução dos preços praticados em clínicas privadas para cirurgias de esterilização não existem, limitando seu acesso a uma reduzida parte da população. Campanhas de esterilização gratuitas realizadas esporadicamente por associações internacionais além de tímidas, esbarram na falta de legislação que as sustente perante a rigidez das normas estipuladas pela Ordem que rege o exercício da actividade Médico-Veterinária em Portugal.

Isso reflete-se numa taxa de míseros 5% de cães esterilizados, segundo um estudo levado a cabo na zona do Porto em 2008. A mesma pesquisa que também evidenciou que quase metade dos proprietários desconhecia as vantagens e desvantagens da esterilização.

Assim sendo, torna-se urgente a criação de programas de esterilização de cães e gatos, com preços reduzidos e que também envolvam a educação e sensibilização dos proprietários a cerca da importância da esterilização precoce e da posse responsável.

Animais esterilizados têm maior qualidade de vida e ligação a seus proprietários – estes perfazem menos de 10% do total de animais que dão entrada nos canis dos EUA. Tais acções são igualmente beneficiadoras do bem-estar das pessoas, já que a saúde animal é um dos pilares da saúde única, com reflexo directo na saúde ambiental, saúde pública e preservação da qualidade de vida das pessoas, do meio ambiente e dos animais.

Programas desta ordem também refletem-se positivamente na classe Médico Veterinária, e não apenas como alicerce técnico na saúde pública. Ao reduzir a oferta de animais o valor intrínseco de cada um aumenta, o que resulta em um maior zelo dos proprietários para com seus animais.

E por fim, sem o excesso populacional milhares de cães e gatos deixariam de ser abatidos apenas por serem considerados “excedentes desnecessários”, o que além de poupar uma quantidade considerável de dinheiro público todos os anos reduziria drasticamente os casos de abandono, negligência e maus tratos a animais.

Frente à necessidade evidente de iniciativas deste teor e com os meios e experiência adquiridos em mais de 10 anos de voluntariado em diversas associações locais, uma dupla de veterinárias decidiu criar uma associação que proporcione de forma acessível a proprietários carenciados tanto informação como a esterilização de seus animais.

Missão:“Trabalhamos pelo dia em que nenhum cachorro ou gatinho que nasça seja considerado um excedente indesejado.”

Objetivos:

Proporcionar informação e esterilizações a baixo custo para animais e proprietários carenciados; promover e executar acções de informação sobre esterilização e posse responsável.

Estratégia: Realizar campanhas de castração, realizar formações técnicas a veterinários e outros profissionais de saúde animal, realizar campanhas informativas para o público-geral.

Processo:

Campanha de castração

Serão realizadas aos Domingos no centro veterinário Cãofraria dos Bichos, em Vila Nova de Poiares. As cirurgias estarão a cargo de veterinários experientes e inscritos na OMV.

A identificação dos animais esterilizados através de microchip ou corte de orelha (esta última no caso de gatos que vivem na rua ou semidomiciliados) será obrigatória, no âmbito da divulgação e aplicação da posse responsável bem como para possibilitar a identificação dos animais já esterilizados em futuras campanhas e CED.

Formação Técnica

Cursos teorico-práticos de técnicas cirúrgicas de esterilização menos invasivas serão realizados para preparar médicos veterinários que venham a colaborar com as campanhas de esterilização. Cursos para auxiliares e enfermeiros também serão oferecidos, visto serem profissionais de suma importância em campanhas.

Campanhas Informativas

Acções de informação serão levadas a cabo especialmente nas escolas, para a conscientização e educação das crianças e adolescentes a cerca da posse responsável e da importância da esterilização precoce dos animais de estimação.

Durante as campanhas também serão promovidas com os proprietários medidas educativas.

Outras acções educativas também serão realizadas por toda a região e divulgadas atempadamente, para as quais contaremos em grande parte com o apoio de voluntários.